Congresso de Engenharia Mecânica e Industrial encerra com ampla participação de profissionais e estudantes

O projeto de interiorização da distribuição do GNL - Gás Natural Liquefeito - em Sergipe, mais uma ação pioneira no País foi um dos assuntos em destaque no encerramento da programação do I Congresso de Engenharia Mecânica e Industrial de Sergipe. Durante dois dias, o evento reuniu no Centro Universitário da Universidade Estácio de Sergipe, profissionais, pesquisadores, especialistas e estudantes da área com o objetivo de promover um amplo debate sobre temas e contribuições para um desenvolvimento sustentável. A palestra sobre a interiorização da distribuição de gás foi ministrada pelo diretor da Golar Power, Marco Túlio Rodrigues. Ele destacou que a ideia é fazer o transbordo do GNL a granel, através da cabotagem, e fazer a distribuição do produto para interiorizar o suprimento de gás em todas as locações do interior do Nordeste onde não existe gás canalizado hoje. Ele explicou que a proposta da multinacional é aproveitar a estrutura de armazenamento do gás natural liquefeito que está sendo implantado pela Celse, que tem um navio com capacidade de 152 mil m³ de gás natural liquefeito. “A partir desse armazenamento, a gente levará o GNL para terra e transportará, por contêiner, para o interior do estado. O gás natural liquefeito possibilita o transporte de uma quantidade superior de produto, em pequeno volume. Diferente do gás comprimido, já que um metro cúbico de gás natural liquefeito equivale a 600 m³ de gás natural. Com isso, estamos estudando três cidades, Lagarto, Glória e Itabaiana, para estabelecer as bases de fornecimento, tanto de gás natural veicular, gás natural liquefeito para os novos caminhões que estamos trazendo e para a Sergás estabelecer uma rede local de distribuição de gás, sem necessidade de construção de dutos até as cidades”, explica ele. Operação comercial As tecnologias da Usina Termoelétrica Porto de Sergipe I, projeto da CELSE — Centrais Elétricas de Sergipe, em construção na cidade de Barra dos Coqueiros também foi tema de destaque no Congresso. O assunto foi conduzido pelo gerente de Projetos da CELSE, Marylam Sales. Ele destacou que pela primeira vez, as turbinas a gás 7HA da GE, consideradas uma das mais eficientes do mundo, é utilizadas no Brasil. “Com essa tecnologia, as centrais térmicas movidas a gás natural podem potencialmente ter emissões cerca de 90% menores do que às de usinas movidas a óleo diesel ou óleo combustível e são um componente fundamental nas matrizes energéticas modernas, colaborando para aumentar a participação dos renováveis no sistema, podendo melhorar a segurança da operação”, explicou ele. Marylam Sales também afirmou que ainda esta semana entra em teste a geração da primeira turbina e que em março do ano que vem inicia-se a operação comercial. Agradecimentos O Congresso foi encerrado pelo presidente da ABEMEC, Enéas Vasconcellos que fez um agradecimento especial ao Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea); Crea-SE; Mútua ( Caixa de Assistência aos Profissionais do Crea); Universidade Federal de Sergipe; Universidade Estácio; SIMES; FENEMI e Governo do Estado. “A todos o meu muito obrigado pelo apoio para a realização deste evento. Também agradeço a presença de todos os profissionais e estudantes que muito contribuíram na troca de informações e experiências e pela interatividade junto aos palestrantes”, disse Enéas.